Cintia Moneró é formada em Direito e trabalhou, antes de se mudar para os Estados Unidos, como advogada contratada da UNESCO, em São Paulo. Atualmente ministra aulas de alfabetização infantil em português e está aperfeicoando a língua inglesa para frequentar cursos na área de direito no país.

Meu nome é Cintia Moneró, sou advogada com pós-graduação em Direito Previdenciário e, desde 2010, moro com a minha família nos Estados Unidos (EUA). Daqui eu administro um grupo no Facebook chamado Clube das Brasileiras no Texas, onde falamos sobre o nosso dia a dia no país, sobre os nossos filhos e tentamos nos ajudar e apoiar ao máximo. Um dos pontos em comum entre nós é a dificuldade de retornar à vida profissional. Esse é um tema que mexe muito com a auto-estima de muitas mulheres, que se vêem recomeçando profissionalmente, tendo que percorrer,  muitas vezes, um longo caminho.

Minha história assemelha-se a de muitas outras brasileiras que moram no exterior. Eu nunca tinha estudado inglês no Brasil. Estudei somente o francês, minha língua preferida. Cheguei aqui falando praticamente nada. Após os seis primeiros meses nos EUA, eu engravidei. A maternidade sempre foi o meu maior sonho e, por isso, eu mergulhei profundamente neste universo maravilhoso e novo de ser mãe. Consequentemente nao tive também tempo para mais nada. Mas, entre as noites maldormidas e as mamadas, consegui voltar a fazer algumas aulas de inglês. Meu objetivo é fazer um curso de paralegal, ou assistente legal, que dura dois anos.

Um assistente legal trabalha como assessor do advogado, com funções de extrema importância para o sucesso do escritório de advocacia, porém, não podem prestar consultas ou assinar petições. Penso que esse curso é uma excelente forma de introdução e conhecimento do direito nos EUA, além de ser uma boa porta de entrada para o mundo da advocacia.

Os dois maiores desafios, na minha opinião, são o idioma e a dificuldade de validar o diploma brasileiro. Além disso, os cursos de pós-graduação também são caros. O de direito custa por volta de 60 mil dólares e o curso de paralegal em torno de 7 a 15 mil.

Para se fazer uma pós-graduação, é necessária a aprovação no exame de inglês do TOEFL. Esse teste avalia sua capacidade de usar e compreender o inglês no nível universitário. Avalia também sua capacidade de combinar compreensão oral, leitura, expressão oral e escrita para realizar tarefas acadêmicas. A nota mínima solicitada varia de acordo com a universidade. Com a aprovação no TOEFL e uma análise da documentação da graduação cursada no Brasil, é possível se matricular em uma pós-graduação de direito por aqui. Após o término do curso, será então possível validar o diploma brasileiro. A próxima etapa é a aprovação no Bar Exam, equivalente ao exame da Ordem dos Advogados no Brasil.

Que conselho você daria para quem está se mudando para o exterior?

É muito trabalho, independente da escolha que você fizer, e é difícil recomeçar. Mas, com determinação, tudo é possível.