Reinventar-se é possível!

 

Reinventar-se é uma expressão muito comum entre expatriados, afinal não existe palavra melhor que explique o que fazemos profissionalmente quando mudamos de país. Poucos conseguem praticar as profissões que exerciam no Brasil, quando chegam ao exterior. A grande maioria reinventa-se, começa do zero, estudando muito e trabalhando dobrado. A falta de informação correta sobre as profissões no novo país, condições financeiras ruins, dificuldades com a língua e a cultura são alguns aspectos que fazem com que muitos de nós acabem desistindo no meio do caminho. Alguns voltam desiludidos para o Brasil, outros contentam-se com profissões e empregos bem abaixo da sua capacidade.
A edição de dezembro de 2013 da nossa revista, nós dedicamos às histórias de sucesso! Convidamos 15 mulheres fortes, lutadoras e vencedoras para compartilharem suas trajetórias profissionais. São histórias inspiradoras, que mostram que existem muitos caminhos e formas de reinventar-se. Ser feliz com uma nova profissão, ou com a mesma, no exterior, é possível!
Eu me formei no Brasil em administração de empresas e moro fora do país há 20 anos. Nesse meio tempo me reinventei várias vezes. Começei na Suiça, em 1994, como vendedora de brinquedos, sem praticamente falar nada da língua local. Estudei o alemão até a exaustão e, um ano depois, consegui um estágio em um banco em Zurique, onde permaneci por sete anos. Inquieta, me aventurei depois, durante quase 10 anos, como designer de joias. Tive uma loja e expus o meu trabalho em feiras mundo afora. Me realizei criando colares e pulseiras e aprendi muito sendo autônoma. Foi um tempo ótimo, mas que chegou ao fim quando o meu amor e inspiração pelo trabalho acabaram.
Reinventar-se de novo! Quem já fez isso, sabe como esse processo é exaustivo. Algumas perguntas precisam ser respondidas:
●      O que eu quero fazer?
●      Preciso estudar novamente?
●      Será que o mercado de trabalho precisa de profissionais nesta área?
●      Será que sou velha demais para recomeçar?
Sinceramente, não tenho respostas prontas para essas perguntas. Muitas vezes no sentimos corajosos, inteligentes e invencíves. Outras, pequenos, incapazes e, talvez, até mesmo velhos. Ser um expatriado bem-sucedido no exterior significa trabalhar muito, também em sí mesmo: aprender a língua, integrar-se na nova cultura, fazer amizades com nativos e acreditar no próprio potencial.
Há um ano criei a revista digital Brasileiros Mundo Afora com o objetivo de contar histórias interessantes e emocionantes que acontecem todos os dias nos quatro cantos do mundo. Foi por causa dessa atividade que consegui meu atual emprego em Berlim, onde atuo em uma redação online, lado a lado com alemães bem mais novos que eu e aqui estudados. Para mim, uma vitória pessoal!
As entrevistadas da nossa edição de dezembro – Profissão expatriadas – contam, de forma sincera, sobre as suas trajetórias profissionais. Sem esconder as dificuldades, mostram que, com força de vontade e criatividade, é possível adaptar-se a novas situações. Suas experiências como expatriadas são prova de que ser bem-sucedido e feliz profissionalmente no exterior é uma realidade.
Beijos

Claudia