Uma vez eu li no blog da Mirella Matthiesen, que eu acompanho, e ela escreveu sobre a sua estranha experiência no Canadá, quando a filha do vizinho, que havia falecido, lhe deu um buquet de flores tirado da coroa que o finado havia recebido no enterro. Leia mais aqui: O vizinho morre e eu que ganho flores!
Diferenças culturais 
Existem muitas formas de se lidar com a morte. No hinduísmo, por exemplo, veste-se o branco, a cor do luto, que dura 12 dias. Mas não precisamos ir tão longe para falar de diferenças culturais relacionadas com a morte. Eu infelizmente já vivenciei alguns enterros aqui na Alemanha e Suiça. Além da situação ser triste em qualquer lugar do mundo, me causa um estranhamento enorme duas questões:
1. O finado não é enterrado no dia seguinte. Dependendo do caléndário dos parentes ou se ele for cremado, depende da agenda da funerária, isso poderá levar alguns dias ou semanas.
2. Depois do enterro, geralmente sem velório, os “convidados” vão para um restaurante comer o que eles chamam de “Leichenschmaus” – Festa funeral. Não ir, é uma ofensa enorme! Um desrespeito à família e à pessoa que faleceu.
Como eu já vivenciei enterros no Brasil e em outros países, onde perdi pessoas queridas, não há dúvida, de que a dor da perda é igual. A diferença está no tempo de se acostumar com a ideia da morte, até o enterro acontecer. Parece que esse periodo de espera, acalma a alma e tira aquela dose de desespero que se vê nos enterros brasileiros. Afinal, o seu ente querido foi-se ontem  e será enterrado amanhã. Isso é muito brutal!
Bom, o assunto não é dos mais felizes, eu sei. E por isso mesmo voltamos ao post da Mirella e às flores:
 
” Coincidentemente quando estava voltando pra casa, um outro carro parou na frente da casa e como vi que era a filha dele, fui lá falar com ela e oferecer meus préstimos para o que fosse necessário… e foi então que ela disse, “espere um pouco, quero te dar uma coisa!”. Ela abriu o porta mala do carro e da coroa de flores, tirou um buquê pra mim!”
Logo sai toda sorridente atrás de um vaso e coloquei as flores para enfeitar a mesa, nisso chegou a mãe do Kiko, que estava nos visitando naquele mês, e perguntou: “Ué, você foi no mercado comprar flores e nem me chamou?”… eu respondi: “Não, ganhei da coroa de flores do vizinho que morreu!”. A Ligia me olhou com aquela cara, e disse: “Você é louca! Enfeitar a casa com flores de defunto?! Isso dá azar…”. Não deu outra, ela correu no vaso, tirou as flores e jogou no lixo do reciclável orgânico! E eu fiquei com aquela cara de … “ih… fiquei sem flores!”
Ela pergunta no final do post: Você jogaria ou não as flores fora?
Eu, acho que sim. Beijos Claudia